top of page

A primeira consulta de Psicologia/Psicoterapia

Atualizado: 5 de set. de 2021



A primeira consulta de Psicoterapia


O que é exactamente uma primeira consulta de psicologia ou psicoterapia?


A primeira consulta com um terapeuta é uma reunião para determinar se o terapeuta é uma boa opção para si. É uma oportunidade de nos conhecermos. É também uma oportunidade para o psicoterapeuta ter uma noção de qual é o seu problema e certificar-se de que pode tratá-lo com competência. Um terapeuta tem o dever ético de encaminhá-lo para outro profissional que ele ache que seria melhor para si, se ele não se sentir confortável com a patologia ou pensar que o seu problema específico será melhor resolvido por outro profissional.


Após esta primeira consulta, caso sentir confiança no terapeuta escolhido, inicia-se o trabalho terapêutico. A primeira consulta é sobretudo uma oportunidade de fazer perguntas ao terapeuta.


Abaixo estão algumas perguntas que pode fazer para ajudá-lo(a) a decidir se um determinado terapeuta é uma boa escolha para si e para o seu caso. O processo terapêutico será tanto mais eficaz quanto mais conseguir ser completamente honesto(a) e aberto(a) com o terapeuta.


Isso significa que também poderá perguntar o que quiser.


Pode parecer estranho fazer perguntas ao terapeuta. Não estamos acostumados a fazer perguntas pessoais aos profissionais de saúde.


Mas a terapia é diferente de outros tipos de cuidados de saúde. Como em terapia falamos de coisas muito pessoais, os pacientes querem sentir que o relacionamento é equilibrado e que o terapeuta também compartilha coisas sobre si próprio. Como terapeuta, estou sempre preparado para responder a (quase) todas e quaisquer perguntas dos meus pacientes. Por isso, não tenha medo de perguntar nada.


Claro que, se o terapeuta não quiser responder uma pergunta, não o fará e dir-lhe-á porquê. Mas não ficará ofendido. Por isso pergunte. Aqui estão algumas perguntas que podem ser relevantes para si:


Onde estudou?

O que estudou, qual foi o seu percurso académico?

É especialista no meu problema?

Qual é a sua experiência neste tipo de casos?

Quais são os seus resultados neste tipo de casos?

Que tipo de tratamento será utilizado, o que vamos fazer nas consultas?

Como é que eu vou saber se a terapia está a funcionar?

Vou sofrer?

Haverá trabalhos para fazer em casa?

Já passou por este problema?

É casado?

Tem filhos?

Sempre foi terapeuta?

Há quanto tempo trabalha como terapeuta?

De onde é?

Quantas sessões vai demorar?

Quanto vai custar?

Aceita seguros de saúde?

Qual é a sua política de cancelamento de sessões?


Pergunte a si mesmo o que é importante para saber para sentir confiança. Pode ser qualquer coisa. Pode ser sobre as crenças e valores do terapeuta. Ou pode ser sobre os seus hobbies e interesses.


Por exemplo:


Já fez psicoterapia para resolver algum problema pessoal?

Acredita em Deus?

Quais são seus pontos de vista sobre a política ou a justiça social?

Gosta de música? Que tipo de música? Qual é o seu clube preferido?


No caso de ser homossexual podem ser importantes as seguintes questões:


Qual é a sua identidade de género?

Tem experiência de trabalho com pessoas homossexuais?

Qual é a sua compreensão sobre diversas sexualidades e identidades de género?

É gay?

Acha que ser gay é uma escolha?

Acha que a homossexualidade pode ser “curada”?

É a favor do casamento gay? E da adopção por casais do mesmo género?

É um especialista em LGBT?

Tem algum amigo LGBT?


Esta não é uma lista exaustiva de todas as perguntas possíveis. Há muitas mais que pode perguntar e tenho a certeza de que tem as suas próprias perguntas, as perguntas essenciais para si. Crie a sua própria lista antes da primeira consulta. E se não tiver tempo suficiente para fazer todas as perguntas durante a primeira consulta, poderá sempre fazê-las depois.


No final da primeira consulta e antes de decidir se deseja iniciar o processo terapêutico deverá perguntar-se a si próprio(a) questões como:


Sentiu-se emocional e fisicamente seguro(a)?

Acha que pode confiar nessa pessoa?

Gostou do comportamento do terapeuta?

Fez-lhe perguntas relevantes para compreender o seu problema?

Pareceu-lhe informado e competente?

Gostou da consulta?

O consultório é confortável?

Parece-lhe que a confidencialidade é um tema importante para o terapeuta?

Envolveu-se nos temas e na sua apresentação?

Sentiu-se ouvido(a) e compreendido(a)?

Sentiu-se aceite e respeitado(a)?


Se não tiver um bom sentimento geral, talvez seja melhor procurar outro terapeuta.


Se tiver várias experiências negativas talvez seja um problema seu, talvez ainda não esteja pronto para o processo terapêutico ou tenha muita dificuldade em expor-se. É normal. A terapia pode ser ameaçadora e causar muita ansiedade, particularmente se é a sua primeira experiência em psicoterapia. Com o decorrer das consultas sentir-se-á melhor, mais confortável e seguro(a).


Após esta primeira consulta, o que é de esperar que aconteça nas próximas sessões? Como vai ser o processo? Como saberá se a terapia está a resultar? Nos próximos textos tentarei responder a estas e outras questões.


Se ainda está à procura de um psicoterapeuta no Porto, leia os textos anteriores aqui no blogue ou consulte a página das perguntas frequentes, tenho a certeza de que vão ajudá-lo(a). Se tiver alguma questão, escreva-me (diasuteispsicologia@gmail.com). Serei breve na resposta.


Dias Úteis – As pessoas são tudo.



1 Comment


Felipe Lobrigati Aragão
Felipe Lobrigati Aragão
Apr 12, 2023

A vagabunda prostituta ninfomanica confirmada comprovada psicopata glaucia dias,não eu escondido sem a menor credibilidade para se entrometer na vida alheia e querer julgar décadas de situações em menos em uma semana,inventa doenças mentais desrespeitando regras desde diaguinósticos como deposita siguinificados fícticios de doenças fantasiosas mentais por de trás de "pacientes" no bueiro falido medíocre pobre coitado caps mental araraquara ou atualmente em algum local que inventa doenças fantasiosas fíctcias mentais,com seus palhaços de farda estupradores vagabundos a vida inteira policiais pedófilos ladrões da gocil e alguns militares enfiando opiniões desses em tratamentos vagabundos psicológicos confirmados,a própria que havia inventado comentado na minha frente e da minha mãe em 2012 que eu tive um "surto psicótico" na casa da cultur…

Like
bottom of page