A primeira consulta de Psicologia/Psicoterapia

A primeira consulta de Psicologia/Psicoterapia

Atualizado: 21 de Dez de 2019



A primeira consulta de Psicoterapia


O que é exactamente uma primeira consulta de psicologia ou psicoterapia?


A primeira consulta com um terapeuta é uma reunião para determinar se o terapeuta é uma boa opção para si. É uma oportunidade de nos conhecermos. É também uma oportunidade para o psicoterapeuta ter uma noção de qual é o seu problema e certificar-se de que pode tratá-lo com competência. Um terapeuta tem o dever ético de encaminhá-lo para outro profissional que ele ache que seria melhor para si, se ele não se sentir confortável com a patologia ou pensar que o seu problema específico será melhor resolvido por outro profissional.


Após esta primeira consulta, caso sentir confiança no terapeuta escolhido, inicia-se o trabalho terapêutico. A primeira consulta é sobretudo uma oportunidade de fazer perguntas ao terapeuta.


Abaixo estão algumas perguntas que pode fazer para ajudá-lo(a) a decidir se um determinado terapeuta é uma boa escolha para si e para o seu caso. O processo terapêutico será tanto mais eficaz quanto mais conseguir ser completamente honesto(a) e aberto(a) com o terapeuta.


Isso significa que também poderá perguntar o que quiser.


Pode parecer estranho fazer perguntas ao terapeuta. Não estamos acostumados a fazer perguntas pessoais aos profissionais de saúde.


Mas a terapia é diferente de outros tipos de cuidados de saúde. Como em terapia falamos de coisas muito pessoais, os pacientes querem sentir que o relacionamento é equilibrado e que o terapeuta também compartilha coisas sobre si próprio. Como terapeuta, estou sempre preparado para responder a (quase) todas e quaisquer perguntas dos meus pacientes. Por isso, não tenha medo de perguntar nada.


Claro que, se o terapeuta não quiser responder uma pergunta, não o fará e dir-lhe-á porquê. Mas não ficará ofendido. Por isso pergunte. Aqui estão algumas perguntas que podem ser relevantes para si:


Onde estudou?

O que estudou, qual foi o seu percurso académico?

É especialista no meu problema?

Qual é a sua experiência neste tipo de casos?

Quais são os seus resultados neste tipo de casos?

Que tipo de tratamento será utilizado, o que vamos fazer nas consultas?

Como é que eu vou saber se a terapia está a funcionar?

Vou sofrer?

Haverá trabalhos para fazer em casa?

Já passou por este problema?

É casado?

Tem filhos?

Sempre foi terapeuta?

Há quanto tempo trabalha como terapeuta?

De onde é?

Quantas sessões vai demorar?

Quanto vai custar?

Aceita seguros de saúde?

Qual é a sua política de cancelamento de sessões?


Pergunte a si mesmo o que é importante para saber para sentir confiança. Pode ser qualquer coisa. Pode ser sobre as crenças e valores do terapeuta. Ou pode ser sobre os seus hobbies e interesses.


Por exemplo:


Já fez psicoterapia para resolver algum problema pessoal?

Acredita em Deus?

Quais são seus pontos de vista sobre a política ou a justiça social?

Gosta de música? Que tipo de música? Qual é o seu clube preferido?


No caso de ser homossexual podem ser importantes as seguintes questões:


Qual é a sua identidade de género?

Tem experiência de trabalho com pessoas homossexuais?

Qual é a sua compreensão sobre diversas sexualidades e identidades de género?

É gay?

Acha que ser gay é uma escolha?

Acha que a homossexualidade pode ser “curada”?

É a favor do casamento gay? E da adopção por casais do mesmo género?

É um especialista em LGBT?

Tem algum amigo LGBT?


Esta não é uma lista exaustiva de todas as perguntas possíveis. Há muitas mais que pode perguntar e tenho a certeza de que tem as suas próprias perguntas, as perguntas essenciais para si. Crie a sua própria lista antes da primeira consulta. E se não tiver tempo suficiente para fazer todas as perguntas durante a primeira consulta, poderá sempre fazê-las depois.


No final da primeira consulta e antes de decidir se deseja iniciar o processo terapêutico deverá perguntar-se a si próprio(a) questões como:


Sentiu-se emocional e fisicamente seguro(a)?

Acha que pode confiar nessa pessoa?

Gostou do comportamento do terapeuta?

Fez-lhe perguntas relevantes para compreender o seu problema?

Pareceu-lhe informado e competente?

Gostou da consulta?

O consultório é confortável?

Parece-lhe que a confidencialidade é um tema importante para o terapeuta?

Envolveu-se nos temas e na sua apresentação?

Sentiu-se ouvido(a) e compreendido(a)?

Sentiu-se aceite e respeitado(a)?


Se não tiver um bom sentimento geral, talvez seja melhor procurar outro terapeuta.


Se tiver várias experiências negativas talvez seja um problema seu, talvez ainda não esteja pronto para o processo terapêutico ou tenha muita dificuldade em expor-se. É normal. A terapia pode ser ameaçadora e causar muita ansiedade, particularmente se é a sua primeira experiência em psicoterapia. Com o decorrer das consultas sentir-se-á melhor, mais confortável e seguro(a).


Após esta primeira consulta, o que é de esperar que aconteça nas próximas sessões? Como vai ser o processo? Como saberá se a terapia está a resultar? Nos próximos textos tentarei responder a estas e outras questões.


Se ainda está à procura de um psicoterapeuta no Porto, leia os textos anteriores aqui no blogue ou consulte a página das perguntas frequentes, tenho a certeza de que vão ajudá-lo(a). Se tiver alguma questão, escreva-me (diasuteispsicologia@gmail.com). Serei breve na resposta.


Dias Úteis – As pessoas são tudo.



  • Facebook - Círculo Branco

© 2020 DIAS ÚTEIS, Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Disaine