Dias Úteis - Psicologia - Intervenção e Tratamento em caso de Demência

Demência

 

Os dados epidemiológicos mais recentes apontam para a existência de 182.000 pessoas com demência em Portugal, das quais 130.000 têm doença de Alzheimer, sendo a forma de demência mais prevalente.
A Demência consiste na perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais.
O neuropsicólogo deverá verificar os casos que podem beneficiar da intervenção e a metodologia de intervenção mais adequada, a partir do perfil da avaliação neuropsicológica. A reabilitação da demência faz-se através da reestruturação das unidades funcionais do cérebro, aplicando programas específicos a cada uma delas.
Apesar da utilidade de ajudas técnicas (materiais que permitem ao doente com demência executar algumas actividades), é importante o entendimento de que para reabilitar qualquer função (motricidade ou reconhecimento) é necessário permanecer numa actividade direccionada à reabilitação dos sistemas funcionais cerebrais comprometidos. Desta forma, é possível o atraso dos comprometimentos característicos da demência e a manutenção de áreas funcionais intactas por um período de tempo alargado. Isto é, em linguagem mais simples, é possível retardar o processo de perda de capacidades e prolongar as funções que ainda se encontram preservadas.
Estudos demonstram que a estimulação cognitiva pode ajudar a desacelerar o ritmo da deterioração cognitiva na Doença de Alzheimer e outras demências. No entanto, para este efeito positivo se fazer sentir, as atividades devem ter algum significado para o indivíduo e devem aproximar-se o mais possível das suas tarefas do dia-a-dia.
O papel do neuropsicólogo passa também por dar apoio aos cuidadores de pessoas com demência, ouvindo as suas preocupações e angústias e fornecendo toda a informação necessária para que estes possam ultrapassar os obstáculos que surgem diariamente em casa.
 

Prognóstico no Tratamento da Demência

Nos doentes com demência, as melhorias alcançadas são temporárias, pois as alterações das áreas cerebrais que suportam as funções cognitivas são progressivas e os resultados de qualquer intervenção terapêutica serão cada vez menos eficazes, contudo a intervenção é fundamental para desacelerar a deterioração cognitiva.
A utilização de técnicas adequadas de Reabilitação Neuropsicológica tem proporcionado casos clínicos de sucesso em pacientes com demência.
Se necessitar de mais informação ou se tiver alguma questão, não hesite em contactar-nos
 
Dias Úteis – As pessoas são tudo.